sexta-feira, 14 de novembro de 2014

FALSIDADES

“Alemão, te arruma que vais ao enterro do Zé da Carmela comigo”, disse meu pai. “Eu que tinha 13 anos e não era chegado a enterros, argumentei: Oh pai, me tira desta”. “Não, pois já está na hora de encarar aquela que é a grande realidade da vida. A morte!” Lá fomos nós. Entramos na casa da Carmela e, depois das condolências, estacionamos num espaço de onde se via o Zé. Estático. Lívido, com fisionomia tranquila. Foi uma boa pessoa. Ato contínuo entra na sala o Juca da Arminda, conhecido como “Bosta de Vaca”. Cumprimentou a Carmela, a viúva e os filhos com abraços e beijos faciais. Postou-se ao lado do caixão e, parecendo emocionado, derramou lágrimas face abaixo. “Pai, porque o apelido dele é Bosta de Vaca? Ele parecia emocionado com a morte do amigo”. “Porque aquele é do tipo de gente que mata e chora no enterro da vítima. Por fora seco e por dentro mole e fedorento. Aprenda uma coisa: Quando o crocodilo engole uma presa, ele chora, mas, não significa que esteja sentindo pena. Daí a expressão "lágrimas de crocodilo", que quer dizer que, embora a pessoa chore, suas lágrimas não significam que esteja sofrendo, mas sim fingindo.” “Já que falastes disso, sabes por que se diz abraço de tamanduá?”, perguntei. “Esta é outra expressão que significa falsidade. Quando você recebe abraço de uma pessoa que quer o teu mal, dizemos que essa pessoa está dando um “abraço de tamanduá, porque ele abraça suas presas e crava em suas costas suas garras mortais”. “Mas pra mim, disse ele, a pior falsidade é o ósculo de Judas. Judas ao vender o mestre por 30 moedas combinou com os soldados romanos, que o traído era o que recebesse dele um beijo na face. Claro que Jesus sabia da traição, mas não se abalou. Nesta vida muitas vezes serás traído, mas o importante é não se abalar. Quando a pessoa é falsa contigo, ela chega ressabiada, não olha nos teus olhos devido ao peso na consciência. Aguente firme! A vida é como o eco. O que a gente emite volta pra nós, da mesma forma e intensidade. Por isto, Alemão, lance sempre o bem, que terás o mesmo de volta, mas mesmo assim te prepares para receber dos teus “Bostas de Vacas”, Lágrimas de Crocodilo, Abraços de Tamanduá e Ósculos de Judas!”

7 comentários:

  1. Anselmo Fábio de Moraes professor adorei, muito legal e verdadeiro,

    Joana Sachet Spillere

    ResponderExcluir
  2. Cada crônica um aprendizado...muito bom

    Diana Uggioni

    ResponderExcluir
  3. Essa eu tive o privilégio de ouvir na voz do autor. Grande mestre!

    Marcus Paulino Teixeira

    ResponderExcluir
  4. Gostei, só que estas pessoas logo são descobertas. Tarde ou cedo chegam as verdade e as pessoas verdadeiras e especiais

    Estevão Roberto Ribeiro

    ResponderExcluir
  5. Haha muito bom!!! O negócio é reconhecer na vida os "bostas de vaca"

    Ana Elise Inácio

    ResponderExcluir
  6. Muito bom Anselmo!

    Alencar Mombach Loch

    ResponderExcluir
  7. E meu amigo realmente e isto que ocorre, amigos mesmos somente os de infancia e olhe la..Só lamento não ter conhecido o Zé, mas com com certeza de muitos deles... Xuxu, Bananeira.......Abraços.

    Clauricio Cardozo

    ResponderExcluir